PUBLICIDADE
Topo

Blog do Matias

Qual é o segredo do Iron Maiden?

Alexandre Matias

28/03/2016 11h09

Assisti ao show de encerramento da décima primeira vinda do Iron Maiden ao Brasil no sábado passado, dia 26, com um sorriso de satisfação. Primeiro porque o Iron – não consigo chamar o grupo de "Maiden", como preferem os fãs mais novos – fez parte da minha formação musical e era um inevitável flashback não apenas a diferentes fases da minha adolescência como aos meus primeiros anos como conhecedor de música. Mas também por saber que estava assistindo a uma banda como poucas hoje em dia, que reúne inúmeras qualidades e justifica sua existência ao vivo.

Você pode até não gostar do grupo inglês mas não dá para negar sua identidade musical. Forjado num tempo em que o heavy metal começou a decair – quando punk e new wave se sobrepuseram ao gênero que antes era mainstream -, o DNA do Iron Maiden só sofreu uma mudança realmente drástica bem ainda no início de seu voo, quando seu atual vocalista assumiu o microfone no início dos anos 80. A banda já tinha um par de discos lançados quando Bruce Dickinson entrou no lugar de Paul Di'Anno, consagrando uma formação e uma linguagem inconfundível – das capas desenhadas por Derek Riggs aos temas históricos, dos vocais olímpicos aos solos conjuntos das guitarras de Adrian Smith e Dave Murray, das viradas da bateria de Nicko McBrain aos riffs ponteagudos, do onipresente mascote Eddie ao baixo galopante do fundador Steve Harris, tudo no Iron Maiden era épico.

Épico e nerd. Como o Rush antes deles, o Iron apostava na obsessão do fã de heavy metal para construir sua mitologia. Detalhes espalhados nas capas, que teoricamente contariam uma história, letras cheias de pesquisas históricas ou citações literárias, edições limitadas de EPs gravados para alguns mercados, versões de clássicos do rock em lados B de seus singles, cenários grandiosos e surpreendentes, discos picture, camisetas e discos ao vivo. Sabiam que poderiam manter aquela sonoridade própria intacta caso instigassem elementos extramusicais para os fãs se divertir.

A banda quase botou tudo a perder nos anos 90. A saída de Adrian Smith trouxe o guitarrista Janick Gers a bordo, que mexeu um tico na sonoridade da banda, mas ela foi desandar de vez com a saída de Bruce Dickinson, que deu lugar ao pífio vocalista Blaze Bayley. O curso foi corrigido em pouco tempo, logo que Bruce voltou para seu cargo antes da década terminar e o grupo conseguiu recobrar a estabilidade que havia perdido – trazendo consigo a volta de Smith e firmando, ao lado de Gers, uma formação clássica com três guitarristas. Mesmo sem lançar discos que cheguem perto dos clássicos dos anos 80, reforçaram as qualidades da própria sonoridade e hoje repetem uma fórmula sem parecer fazer isso apenas por obrigação. The Book of Souls, lançado no ano passado, ocupou boa parte do repertório da banda no sábado passado e isso não foi um problema para os fãs, muito pelo contário. Grande parte dos que compareceram ao Allianz Parque trajava a camiseta do disco mais recente da banda, numa clara manifestação de entusiasmo em relação ao trabalho mais recente do grupo.

Um pacto entre o grupo e fãs não transforma o Iron num mero parque temático de sua era de ouro. Claro que todos vão ao delírio quando a banda toca hinos como "The Trooper", "Powerslave", "The Number of the Beast", a faixa que batiza o grupo, entre outras. Mas quantos outros clássicos não foram sacrificados para a entrada de músicas novas? Em vez de exigir "Aces High", "Wasting Love", "Run to the Hills" ou "The Rhyme of the Ancient Mariner", os fãs contentam-se com várias músicas do novo disco, sendo que algumas delas esticam-se até quase dez minutos de duração. Não são clássicos, tudo bem, mas a banda está lá dando tudo de si – o vocalista correndo de um lado para o outro enquanto rasga seu vocal com a maior desenvoltura e cumprimenta o público, sempre carismático, os três guitarristas e o baixista passando a bola uns para os outros ou jogando em sintonia num mesmo riff como um time de futebol bem treinado, uma bateria que não deixa o público parado em momento algum. Mesmo que você não conheça ou não goste das músicas novas dá para ver que a banda não esmorece.

O segredo do Iron Maiden é o mesmo dos Rolling Stones – manter-se fiel ao seu estilo musical e demonstrar empolgação quando está se apresentando ao vivo. Também são CEOs de uma empresa de música que em vez de decidirem o futuro corporativo entre reuniões defendem-no pessoalmente nos palcos do mundo. Só que são uma banda bem menor e têm um foco num nicho cada vez mais específico. E o fato de eles virem com frequência para a América do Sul não tem nada a ver com decadência, como diziam antigamente das bandas que vinham muito pra cá: eles sabem que têm uma base gigantesca de fãs por aqui e fazem questão de reconhecer isso. E assim tornam-se uma banda clássica, talvez a mais clássica banda de heavy metal do mundo em atividade.

Sobre o Autor

Alexandre Matias cobre cultura, comportamento e tecnologia há mais de duas décadas e sua produção está centralizada no site Trabalho Sujo (www.trabalhosujo.com.br), desde 1995 (@trabalhosujo nas rede sociais). É curador de música do Centro Cultural São Paulo e do Centro da Terra, do ciclo de debates Spotify Talks, colunista da revista Caros Amigos, e produtor da festa Noites Trabalho Sujo.

Sobre o Blog

A cultura do século 21 é muito mais ampla que a cultura pop, a vida digital ou o mercado de massas. Inclui comportamento, hypes, ciência, nostalgia e tecnologia traduzidos diariamente em livros, discos, sites, revistas, blogs, HQs, séries, filmes e programas de TV. Um lugar para discussões aprofundadas, paralelos entre diferentes áreas e velhos assuntos à tona, tudo ao mesmo tempo.

Blog do Matias