Blog do Matias

Pode ficar tranquilo: "Rogue One" é tudo isso mesmo (sem spoilers)

Alexandre Matias

13/12/2016 15h00

Jyn-Erso-

A primeira coisa que você deve saber sobre Rogue One, o primeiro filme da Lucasfilm fora das três trilogias que contam a saga da família Skywalker, é que você deve se proteger ao máximo para não saber nada. Blinde-se de quaisquer dicas sobre a história do filme que estreia nesta quinta, dia 15. Qualquer pequena informação sobre o filme pode estragar boas surpresas em relação a este novo rumo que a franquia criada por George Lucas parece tomar. Não que o filme seja repleto de revelações e reviravoltas, mas mantenha-se alheio a tudo que possa estragar sua surpresa em relação a Rogue One.

A segunda coisa que você precisa saber sobre este filme é que ele é tudo isso mesmo. Ele mantém-se tão fiel à mitologia clássica quanto o Episódio VII lançado no ano passado, mas muda completamente de rumo pois não tem a carga de expectativa que o filme dirigido por JJ Abrams carregava. Assim, mantém-se fiel ao tom e à paisagem imaginada naqueles três primeiros filmes sem precisar ater-se tanto a qualquer história que já conhecemos. Se muitos reclamavam que O Despertar da Força era uma mera atualização do roteiro do Episódio IV, Rogue One não se prende a nenhum fio narrativo que já conhecemos para impor sua força.

Mas está tudo lá: o Império cada vez mais implacável e a Aliança Rebelde tomando forma. Novas naves, novas espécies, novas armas e novos personagens encontram-se com velhos conhecidos (alguns inesperados – tem gente até da trilogia prequel), fazendo que a história do bando de mercenários que tem como missão sequestrar informações sobre uma novíssima arma do Império tenha todo o DNA da saga original de George Lucas.

O time principal de personagens – e seus atores – é formidável. A Jyn Erso de Felicity Jones já é uma das grandes heroínas dos filmes de ficção científica, ao lado de outras protagonistas geniais da saga, como a Princesa Leia e da novata Rey. Ela destaca-se frente a um exército de Brancaleone improvável e divertidaço, que conta com mudanças bruscas de humor – da infâmia à raiva – de fora que o filme nunca perde sua tensão básica, que mantém-se literalmente até a impressionante última cena.

É um filme de guerra, com cenas de batalhas espetaculares, mas também um filme sobre um universo em expansão: na primeira meia hora somos apresentados a paisagens e planetas novíssimos, que em breve serão habitados em filmes futuros. Mas também há doses pesadas de emoção – dá pra segurar o choro em pelo menos duas cenas – e a palavra de ordem é esperança. Esperança não apenas para o futuro da história nos filmes (afinal, ele antecede a primeira trilogia, iniciada em 1977), mas também para o rumo que a Lucasfilm está levando sua série. E prepare-se para a terceira parte do filme, que ela é de tirar o fôlego – em vários momentos.

Escrevo sob o efeito da felicidade surpreendente provocada pelo filme à primeira vista (algo parecido, embora mais adulto, com a vibração alto astral do seriado Stranger Things), mas dá pra cravar que Rogue One é um dos melhores filmes da franquia, melhor que o filme do ano passado, que o Episódio IV e, talvez (preciso assistir mais uma vez), que O Império Contra-Ataca. Preciso ver de novo, mas se há falhas neste filme, não consegui pegar nesta primeira vez. Até o final da semana comento melhor o filme – aí sim com spoilers – e cravo se Rogue One é ou não o melhor filme da série até agora.

Sobre o Autor

Alexandre Matias cobre cultura, comportamento e tecnologia há mais de duas décadas e sua produção está centralizada no site Trabalho Sujo (www.trabalhosujo.com.br), desde 1995 (@trabalhosujo nas rede sociais). É curador de música do Centro Cultural São Paulo e do Centro da Terra, do ciclo de debates Spotify Talks, colunista da revista Caros Amigos, e produtor da festa Noites Trabalho Sujo.

Sobre o Blog

A cultura do século 21 é muito mais ampla que a cultura pop, a vida digital ou o mercado de massas. Inclui comportamento, hypes, ciência, nostalgia e tecnologia traduzidos diariamente em livros, discos, sites, revistas, blogs, HQs, séries, filmes e programas de TV. Um lugar para discussões aprofundadas, paralelos entre diferentes áreas e velhos assuntos à tona, tudo ao mesmo tempo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Topo