Blog do Matias

Não dá para imaginar um mundo sem David Bowie

Alexandre Matias

11/01/2016 07h51

david-bowie

É difícil imaginar um mundo sem David Bowie – ainda mais agora, à luz da notícia de sua morte. Mas o fato é que o mundo seria um lugar bem pior se David Bowie não tivesse existido.

Bowie transformou a sensação de estranhamento que todos nós sentimos – em maior ou menos escala – em grande arte. Estranhamento em relação ao mundo, à sociedade, à vida, a si mesmo. Contemporâneo da geração de ouro da história do rock (era cinco anos mais novo que Paul McCartney, dois anos mais novo que Pete Townshend e Eric Clapton), ele chegou tarde nos anos 60 para garantir presença no panteão que mudou a história da cultura ocidental. Mas não sem motivo. Ao lançar a própria carreira no final da década do rock clássico, ele a sincronizou com um momento único na história da humanidade e fez-se notar pela primeira vez lançando uma música sobre a solidão no espaço sideral e o olhar frio e distante sobre o planeta, a Terra, o mundo, nós mesmos.

“Space Oddity” não era apenas o hit que a BBC escolheu como trilha sonora para a chegada do homem à Lua em 1969. Ela lançava questionamentos num tom solene para uma geração que ainda iria acordar do sonho hippie. O festival de Woodstock aconteceria um mês após aquele momento e em menos de seis meses os Rolling Stones trariam – no fatídico festival de Altamont – para a realidade o temor pressentido por Dennis Hopper em seu filme Easy Rider – Sem Destino. A era da paz e do amor terminaria com nervos à flor da pele e ao lançar sua carreira naquele exato momento Bowie se desprendia da geração que achava que deveria pertencer – a dos Beatles e dos Rolling Stones – para criar a sua própria era.

E sempre à sombra do estranhamento. Usar o espaço sideral como trampolim para sua carreira foi providencial para seu segundo ato, quando criou o alienígena Ziggy Stardust, no início dos anos 70. Aquele personagem era tudo que a década de 70 precisava antes de virar uma enorme caricatura de si mesma: andrógino, de cabelos vermelhos, tapa-olho e guitarra em punho, o conto de fadas glam rock contado em um de suas obras-primas (o mítico The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars, de 1972) era uma celebração e uma crítica ao status atingido pelo rock, em que Bowie se vendia como um híbrido de deus inatingível e item de consumo, na melhor definição do que é um popstar.

Ziggy também foi uma fórmula para as diferentes personas que Bowie assumiu desde então – o exilado em Berlim, o outsider, o líder do Tin Machine, o pierrô new romantic, o Thin White Duke -, bem como para outros personagens que viveu graças à moda, ao comportamento e ao cinema (como o senhor cool, o Rei Goblin, o marido da supermodelo, Nikolai Tesla, o gay chique, o pacificador em Zoolander). Gravou com John Lennon e Mick Jagger, apresentou ao mundo Lou Reed (e, de brinde, o Velvet Underground), Iggy Pop (e, de brinde, os Stooges), o Kraftwerk (e, de brinde, a música eletrônica) e chancelou Brian Eno como produtor. Culpe-o também pela popularização do saxofone, instrumento que tocava – e o que pode ser mais cool do que David Bowie tocando sax?

Apesar de ícone do rock e autor de riffs e refrões memoráveis, ele era um artista clássico e classudo que usou o rock como veículo para voos mais audazes e foi um dos popstars que melhor souberam lidar com o jetset, sempre em voga. Transitou entre a ficção científica e a música eletrônica, entre a atuação e a moda, entre discussões sobre sexualidade e drogas. E que compositor – suas maiores canções são baladas tristes e contemplativas que o alinham a compositores como Cole Porter, Noël Coward, Scott Walker, Leonard Cohen.

Nestas canções sempre cantou sobre as transformações que viveu e quase sempre contemplava a morte – até em seu último disco, Blackstar, repleto de referências ao seu capítulo final. Ela não parecia tão próxima porque já pareceu estar mais próxima – na virada da década passada, auge do período de reclusão do artista, os boatos sobre sua morte vinham e voltavam com frequência (a ponto até dos Flaming Lips terem composto uma canção que perguntava se ele estava morrendo). Por isso sua persona mais recente (começada com o disco The Next Day, no início de 2013) parecia anunciar uma nova vida – e confesso que escrevi sobre a reinvenção de seu envelhecimento à luz de seu novo disco com uma ponta de felicidade, ao perceber, como todos nós, que ele ainda tinha muito o que dar.

Hoje, como todos, engulo em seco ao lembrar que uma possibilidade que temia há cinco anos, finalmente se materializou. Vivemos agora em um mundo sem David Bowie – mais careta, menos cool, menos sexy, mais chato. As imagens e sons voltam pela memória (e a minha melhor lembrança é tê-lo visto de pertinho no show que ele fez em São Paulo em 1997 – assisti ao show inteiro do fosso dos fotógrafos), mas fica o legado de uma carreira em constante movimento, uma prova de que é possível envelhecer sem se conformar e uma lição contida no refrão de uma das minhas canções favoritas, “Changes”: “Vire-se e encare o estranho”.

Hora de encarar um mundo sem David Bowie. Boa sorte para nós.

Sobre o Autor

Alexandre Matias, 41, nasceu em Brasília e mudou-se para Campinas em 1993. Começou a trabalhar como jornalista no Diário do Povo, em Campinas, e em 1995 criou a coluna Trabalho Sujo (http://trabalhosujo.com.br/), que manteve em papel pelo tempo que ele trabalhou no jornal, até 1999, quando a transformou em um site, que mantém até hoje. Atualmente mantém o podcast Vida Fodona (http://fubap.org/vidafodona/) e uma coluna sobre música brasileira na revista Caros Amigos. Também produz a festa semanal Noites Trabalho Sujo na Trackers, no centro de São Paulo, onde mora desde 2001. Trabalhou ainda como tradutor de HQs, editor-executivo da Conrad Editora e editor-chefe da agência de notícias do projeto Trama Universitário, da gravadora Trama. Também editou o caderno Link do jornal O Estado de S. Paulo e foi diretor de redação da revista Galileu, da editora Globo.

Sobre o Blog

A cultura do século 21 é muito mais ampla que a cultura pop, a vida digital ou o mercado de massas. Inclui comportamento, hypes, ciência, nostalgia e tecnologia traduzidos diariamente em livros, discos, sites, revistas, blogs, HQs, séries, filmes e programas de TV. Um lugar para discussões aprofundadas, paralelos entre diferentes áreas e velhos assuntos à tona, tudo ao mesmo tempo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Blog do Matias
Topo